O LinkedIn é a maior rede social de identidade profissional e negócios do mundo e foi lançada em 2003, quando as inúmeras redes sociais estavam surgindo na internet.

No entanto, ela pousou no Brasil em 2011, e atualmente, são mais de 43 milhões de usuários brasileiros. Somos o 4º maior país da plataforma, atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia.

Sua popularidade vem crescendo bastante no Brasil, especialmente porque a rede não se limita a expor currículos. Aliás, é um lugar para expor sua marca, seja pessoal ou corporativa, o que o torna um espaço de negócios.

Um profissional pode utilizar a plataforma para ampliar o networking, enquanto uma empresa pode utilizá-la para construir autoridade e divulgar serviços e produtos. E ir muito além disso.

Em suma, o LinkedIn é uma rede de conexões profissionais muito benéfica para quem sabe utilizá-la. E é aqui que mora o problema: muitos usuários não sabem tirar o máximo da rede.

Por isso, apontamos neste post os 11 erros mais comuns de quem tem um perfil no LinkedIn para que você não seja essa pessoa!

A importância de um perfil completo no LinkedIn

Benefícios para a carreira, para sua empresa e para o networking. Um perfil completo no LinkedIn e um bom uso da plataforma pode trazer tudo isso para seus usuários. 

Tomando como base a ideia inicial na criação da rede, que era ser um banco de profissionais online para ajudar recrutadores, já podemos entender que ela promove, de forma efetiva, as conexões profissionais.

No entanto, ao longo dos anos (e principalmente após ser adquirida pela Microsoft, em 2016), o LinkedIn se tornou um espaço de negócios (e inspiração!). 

Profissionais de setores semelhantes e afins podem utilizá-lo para trocar experiências e conhecimentos, e não somente ampliar a rede de contatos. Essa troca é uma das maneiras eficazes de construção de autoridade, que é um dos objetivos do marketing digital.

Sim. A dinâmica no LinkedIn é a base do marketing de conteúdo. Quem está ali não quer saber o que você e sua empresa fazem “diretamente”. Os usuários querem saber como você age de forma colaborativa no trabalho e na vida pessoal, e o impacto que causa na sociedade.

O LinkedIn não espera que você tenha somente um perfil completo com nome pessoal (ou da empresa), produto ou serviço, site, e-mail e telefone.

Ele quer saber suas inspirações, o que te motiva e o que você busca. E é por isso que apresenta um potencial enorme de produção de conteúdo, uma das estratégias mais eficientes do marketing digital.

No entanto, para que o uso da rede se reverta em benefícios para seus usuários, é preciso evitar os erros básicos no perfil do LinkedIn. Confira quais são eles – e evite-os!

Erros mais comuns de quem tem um perfil no LinkedIn

Entrar na rede sem objetivo definido

Qualquer ação que um empreendedor ou profissional adota na internet deve vir precedida de uma análise simples. Qual seu objetivo? Pode parecer bobagem pensar no objetivo de fazer um perfil no LinkedIn considerando que a própria rede dá a dica: conexões de negócio.

Mas você precisa montar seu perfil e definir sua rede de conexões baseada em seu objetivo principal. As conexões de um empregado do ramo de comunicação são diferentes de empreendedores do mesmo setor.

Afinal, seus objetivos podem ser muito diferentes. Se você possui um perfil voltado para a área técnica, mas se interessa por cargos de gestão, deve considerar este objetivo.

Por isso, tenha em mente suas metas para criar um networking valioso e evitar conexões vazias. 

Ter uma foto pouco profissional

Sua foto no LinkedIn é uma espécie de cartão de visitas para quem visualiza seu perfil. Uma potencial empresa parceira ou um profissional de destaque do seu mercado que deseja contratá-lo para uma palestra, certamente, criam uma primeira impressão a partir da imagem.

Por este motivo, o primeiro passo é ter uma foto no seu perfil. Sim, ainda vemos perfis no LinkedIn sem fotos ou com outras imagens. Mas não é qualquer foto. 

Por ser um local de conexões de negócio, você não pode ter uma foto muito informal ou de âmbito muito pessoal. Ter fotos com a família ou com o cachorro (a não ser que você seja veterinário), de roupa de banho, com bebidas alcóolicas na mão não é uma boa prática.

Mesmo que sua empresa seja um ambiente descontraído e promova isso como valor, a foto deve transmitir o que você almeja na carreira. Um sorriso aberto sempre cai bem. Pense em uma imagem simpática e profissional, porque isso pode passar confiança e abertura para novos projetos. 

E, claro, escolha uma foto com boa resolução.

Não ter um perfil completo

Quando um usuário começa no LinkedIn, acredita que o preenchimento dos campos “Resumo”, “Experiência” e “Formação” é suficiente para a rede. No entanto, você se lembra de que mencionamos que o LinkedIn não é uma plataforma de exposição de currículo somente?

A rede profissional quer saber quem você é, o que você pensa e quais são suas experiências. Quais os resultados da sua última experiência profissional? Quais responsabilidades assumiu enquanto esteve em determinado cargo? Ir além da objetividade presente no currículo pode fazer com que seu perfil se destaque.

Pense que sua página inicial é seu primeiro contato com profissionais e empresas. Um bom networking começa com informações preliminares e com a demonstração de interesse em alcançar lugares mais altos na carreira.

A seção “Sobre”, por exemplo, é um espaço para contar mais sobre sua personalidade. Muitas pessoas o deixam em branco ou o utilizam apenas como o campo “objetivo” do currículo. 

Porém, esse é um grande erro no uso do LinkedIn, porque esse espaço pode ser de grande valia. Nele, você pode contar o que te levou a escolher determinada profissão, qual traço da sua personalidade impacta direta e positivamente em seu perfil profissional, os valores da sua empresa e muito mais.

Pense sempre que o LinkedIn é um espaço de troca de conhecimento e compartilhamento de conteúdo. Seu perfil deve sair do modo currículo e ser utilizado a favor da sua carreira.

Apresentar informações inconsistentes

Seu perfil está completo? Excelente. Mas qual a qualidade das informações? Um dos erros mais comuns de quem tem um perfil no LinkedIn é apresentar informações inconsistentes.

Se você possui um conhecimento intermediário em outro idioma, não coloque que você tem nível avançado ou fluente. Se fez um curso de 15 dias em uma universidade estrangeira, não deixe entender que é um MBA. Suas aulas de especialização não se configuram como um mestrado.

Essas informações erradas são facilmente descobertas, e quando isso acontece podem acabar com a sua carreira. Afinal, quem se propõe a mentir abertamente em uma rede profissional não merece credibilidade perante outras empresas. É uma maneira de quebrar a relação de confiança antes mesmo de ela ser estabelecida.

Além dessas “meias verdades”, muitos usuários erram em informações básicas, como nome da empresa, período de permanência nas experiências profissionais. 

Fique atento a esses pequenos detalhes e seja sempre honesto. Você não precisa colecionar diplomas e empregos para ser um profissional competente e se destacar no mercado. 

Não detalhar suas experiências profissionais

Suas experiências profissionais atuais e anteriores formaram quem você é no mercado de trabalho atual. Mesmo assim, vemos perfis no LinkedIn que omitem as experiências pelas quais já passaram por algum motivo.

Isso acontece bastante com profissionais que já tiveram inúmeros empregos e permaneceram na ocupação por pouco tempo. 

No entanto, como um potencial parceiro, investidor ou recrutador conseguirá informações sobre suas experiências profissionais se você não as detalhar?

Por isso, é importante detalhar tudo aquilo que você já viveu, de forma simples e objetiva. Evite títulos vagos ou pomposos que não dizem nada. Este será, provavelmente, o campo para onde outros usuários olharão após o nome e a foto. Então entregue logo o que eles querem saber.

Explore suas experiências anteriores, ainda que elas não tenham qualquer conexão com sua carreira atual. Descreva as antigas ocupações, as tarefas realizadas e as responsabilidades. Descreva suas realizações e conquistas, bem como os desafios enfrentados e os resultados atingidos.

Essas informações contribuem para que as pessoas entendam sua trajetória e como você trabalha. 

Uma excelente dica neste campo é considerar também os trabalhos voluntários que você já exerceu ao longo da vida. Ainda que não tenha ligação com a carreira, o voluntariado faz parte da formação pessoal e profissional. 

Pessoas com experiência neste campo tendem a se relacionar melhor, trabalhar bem em equipe, manter um ambiente saudável e colaborar, habilidades fundamentais para os profissionais atuais do mercado de trabalho.

Não se relacionar com sua rede de conexões (ou fazer isso de forma errada)

Se o LinkedIn é uma rede profissional, você deve saber se relacionar com suas conexões de negócio, certo? Certo. Mas não é isso que acontece. Muitas pessoas utilizam a rede como se fosse um currículo online.

Recebem mensagens privadas e não respondem, ficam semanas sem entrar na rede para aceitar novas conexões e adotam outras atitudes não recomendadas.

Um usuário que não publica nada, nem compartilha atualizações para se comunicar com sua rede, não usa o LinkedIn de forma correta. Afinal, como pontuamos, este espaço é voltado para a troca de conhecimentos e para o compartilhamento de conteúdos e realizações.

Por isso, esteja atento às mensagens e aos posts, interaja com suas conexões de forma genuína e pense sempre em compartilhar conteúdo relevante. 

Ter um perfil sem recomendações

Seguindo a lógica da relação com a rede de conexões, muitos usuários negligenciam uma ferramenta muito interessante do LinkedIn: a possibilidade de recomendar (e ser recomendado) por alguém. Esse é um grande erro, porque as recomendações podem aumentar sua credibilidade de forma interessante.

Parentes, desconhecidos ou pessoas que não trabalham diretamente com você certamente não farão tanta diferença nessas recomendações. Por isso é interessante solicitá-las a colegas mais próximos, com quem você mantém uma relação profissional mais sólida. 

Clientes, empregados, gestores, fornecedores, parceiros, investidores, há uma ampla gama de stakeholders que podem recomendar suas competências. Para tanto, envie uma mensagem explicando a razão do pedido e se coloque à disposição para a troca (recomendar competências daquela pessoa).

Priorizar a quantidade e não a qualidade

Quando o assunto é marketing digital, muitas pessoas ainda caem no mito de que a quantidade de seguidores e conexões é mais importante, porque o alcance da sua publicação será maior. Ledo engano. 

No LinkedIn, o que importa mesmo é que suas conexões sejam conexões reais, de qualidade. Sua rede de contatos deve ser composta por pessoas que têm alguma ligação com você ou com seu negócio, de modo que vocês possam se ajudar mutuamente naquele espaço.

Um erro muito cometido é encaminhar pedidos de conexão para uma pessoa sem critério. Por isso, evite. Se for uma pessoa que você admira e vê possibilidades de boas parcerias e trocas, explique isso na mensagem e, de forma natural, comece uma relação por meio das interações pela rede.

Cometer erros gramaticais

Um erro comum (e que pega muito mal!) no LinkedIn é escorregar na gramática. Você não precisa ser professor de português para escrever bem.

Mas é fundamental que, pelo menos em seu texto de perfil, você não cometa erros gramaticais. Peça a alguém de confiança para revisar seu texto, caso você não possua essa habilidade.

O mesmo vale se você pretende colocar informações em outros idiomas. Redobre o cuidado com a língua que não é materna.

Manter a URL automática

Um erro mais “operacional”, mas que faz a diferença no LinkedIn é a URL. Você já reparou como é seu perfil no Facebook? Em geral, ele vem com a URL da rede social, seguida pelo seu nome e sobrenome. 

E seu perfil no LinkedIn? Ele é uma URL seguida de uma série de números? Não custa nada mudar isso e tornar a leitura mais palatável para quem vê. Nas configurações da sua conta você pode criar uma URL personalizada e mais memorável, utilizando seu nome. 

Manter seu perfil privado

Outro erro operacional é manter o perfil privado. Após passar horas completando e preenchendo seu perfil com as melhores práticas, de nada adiantará se ele não estiver disponível para busca. Como potenciais parceiros e recrutadores encontrarão seu perfil?

Se o perfil de mantiver privado, ele não aparece sequer no Google.

Esses 11 erros que muitos cometem no LinkedIn podem atingir negativamente sua reputação na rede. Para evitar que isso aconteça, fique atento às dicas que demos. Um perfil completo e verdadeiro abre novas portas e oportunidades. 

Além disso, esse espaço também pode ser utilizado para você construir autoridade por meio do marketing de conteúdo. Já pensou nisso?

Que tal ter um perfil campeão e aumentar em 40x a chance de receber um contato na rede? Então aproveite e conheça o Pocket LinkedIn, o mais novo treinamento da Sales Growth!

 

Curso Pocket LinkedIn
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Pin It on Pinterest

Share This